Círculos – Símbolos do Inconsciente

O círculo, um símbolo poderoso

O Círculo é um símbolo do inconsciente coletivo que dispensa interpretações, mas muitos estudiosos traçaram paralelos e fizeram experiências com os aspectos dessa forma e as influências que elas exercem nos seres humanos.

Uma palavra ou imagem é simbólica quando vai além da sua interpretação imediata, está além da razão, está atrelada ao conceito de Inconsciente Coletivo.
Jung, que foi um dos maiores pesquisadores de símbolos da história, diz em seu livro O homem e seus símbolos, que certos acontecimentos e símbolos estão abaixo do limiar da consciência, ou seja, eles são absorvidos sem ‘nosso consciente’ e podem ser acessados através da intuição, da meditação, dos sonhos ou de um intenso processo de reflexão.

“Quando a mente explora um símbolo, é conduzida a ideias que estão fora do alcance da nossa razão. ” Carl. G. Jung

O círculo ou a esfera é um símbolo de forte apelo psicológico, ancestral e mitológico, o círculo representa muitas coisas como o “divino”, o perfeito, o centro de todas as coisas. Ele está basicamente em todos os lugares uma vez que o próprio átomo é uma esfera perfeita.

Ele está presente:

  • adoração primitiva do sol,
  • em sonhos e mitos,
  • na religião antiga e moderna,
  • no planejamento de cidades,
  • nas mandalas dos monges do Tibete,
  • nos conceitos dos astrônomos,
  • nos estudos dos biólogos
  • e muitos outros….

O fato é que o círculo indica o aspecto mais importante da vida: a total integração.

Jung diz ainda, no livro, que o círculo é uma referência ao núcleo psíquico, o centro vital da personalidade do qual emana todo o desenvolvimento estrutural da consciência. (Jung, 2008, p. 323)

A imagem de um homem no centro de um círculo divido em quatro, encontrado nos quatro cantos do mundo, é uma representação mitológica do self.
Para os tibetanos, as mandalas, ricamente trabalhadas, representam a relação com os poderes divinos.
Na arte cristã, a mais comum é Cristo rodeado pelos quatro evangelistas.
Na arquitetura, a mandala constituía um plano básico de construções seculares e sagradas de quase todas as civilizações.
Essas imagens a seguir são da praça Étoile, em Paris.

Aqui temos Palmanova, na Itália

Este slideshow necessita de JavaScript.

As Mandalas têm poder

No livro Psicologia e alquimia, Jung analisa mil sonhos de um homem só, revelando uma quantidade impressionante de símbolos representantes da mandala como o relógio, cabeças que se transformam em bolas, anéis, esferas transparentes, tropas organizadas em círculos e outros.

A mandala, palavra hindu escolhida por Jung para essa representação, sempre foi utilizada por muitas comunidades para restabelecer o equilíbrio interior perdido.

Também são utilizadas nas civilizações orientais para coesão do ser interior ou favorecer uma meditação profunda. A contemplação promove a paz de espírito e uma sensação de que a vida está encontrando a ordem e o significado.
Ela pode aparecer em sonhos e mesmo que não esteja atrelada a culturas, ela traz consigo esse forte simbolismo.

Por exemplo, os índios americanos navajo, tem como tradição usar as mandalas de areia para harmonizar uma pessoa doente, consigo mesma e com o cosmos.

manadala-navajo

As formas de entrar em contato com esse poderoso símbolo são o desenho e a prática das mandalas que podem ser espontâneas, geometricamente desenhadas, contempladas ou apenas coloridas.

Todos sabem que a arte coloca o ser humano em contato com o seu potencial criativo, potencializando habilidades e levando-o níveis mais profundos na vida.
Muitos profissionais da saúde entre médicos, psicólogos e terapeutas de modo geral indicam a arte terapia como forma de reintegração do indivíduo, para análise de situações e como forma de reencontrar o equilíbrio, porque acelera e potencializa os processos de recuperação, sejam eles físicos, mentais ou emocionais.

A mandala é uma forma meditativa que encontra no fazer um fluxo de energias que vai de encontro com a mágica do círculo, a força do símbolo ancestral do círculo e a força que ela gera através das formas e cores.
O ideal é que a prática seja conhecida através de um especialista na área que poderá orientar o melhor caminho para o trabalho de autoconhecimento e realização. Através de alguém experiente, será possível conhecer aspectos importantes como influência das cores, da numerologia, dos signos e formas.

Hoje em dia não é preciso frequentar um espaço para ter acesso à essas informações. Com os cursos online qualquer um pode aprender e ser amparado a partir de casa.
Muitos estados brasileiros não dispõem de profissionais que conhecem a técnica e o poder das mandalas, e um curso online pode ser a melhor opção.
Saiba Mais Aqui.

Um experimento feito por Ernst Florens, físico e músico alemão, em 1680, mostrava formas criadas a partir quando ele passava o arco do violino na borda de uma placa de vidro coberta com farinha.  

Friedrich Chladni, mais tarde, repetiu o experimento com placas de aço, criando ondas, formas e desenhos que se assemelham as mandalas.

Hoje é possível reproduzir esse fenômeno com procedimentos simples, inclusive com o uso do celular. Veja no vídeo:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s